domingo, 23 de julho de 2017

"Não podemos dissociar o desempenho da Galp do que o Crude faz" - Análise à Galp

A Galp foi um dos títulos do PSI20 que mais cresceu em 2016 (exactamente 60%, de mínimos a máximos). Já o presente ano tem sido marcado pela incerteza e lateralização. Não podemos dissociar o desempenho da Galp do que o Crude faz, e este está a viver um péssimo ano. Nem tanto pela amplitude percentual da queda que tem sofrido, mas pela sustentabilidade da mesma. Máximos relativos nesta matéria-prima consecutivamente inferiores ao anterior sinalizam uma tendência descendente, e Galp acaba por ir um pouco à boleia. 

Olhando para o gráfico desta cotada, tudo indicia que terá activado recentemente um padrão de inversão no gráfico de 4 horas que a pode levar até ao gap dos 14 euros. Contudo, pessoalmente estou um pouco céptico. Se olharmos para o conjunto, vemos que o crude está "preso" numa resistência, e que esta pode demorar algum tempo a ser ultrapassada. A ser assim, e se a Galp acompanhar, poderá dar-se o compromisso descendente deste padrão de inversão. Outro aspecto pouco atractivo neste padrão é a inexistência de referências intermédias de stop, que baixam o seu potencial de negociação para uns pouco atractivos 1:1. 

Para quem está dentro, para onde olhar? Neste momento, para os 13 euros. A ser comprometida essa referência, o título poderá deslizar de forma mais significativa, se bem que é de salientar que tanto a Galp como o crude se movem geralmente por swings. Mas, a faltarem os suportes, o risco aumenta substancialmente! De um ponto de vista mais optimista, o desafio será que se ultrapassem os 14,14€, zona marcada pelo início do gap que esteve na origem deste movimento descendente. Para já, como está bom de ver, este não seria o título que eu pessoalmente escolheria para me posicionar no PSI20. 

Gráfico da Galp:


Gráfico do Crude:


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Sonae tem tudo para fazer novos máximos

Após a recente actualização à Jerónimo Martins, importa agora analisar a sua maior concorrente retalhista, a Sonae. Tal como a Jerónimo Martins, também a Sonae está a atravessar um excelente momento, seguindo também ela para máximos. É verdade que a subida prévia é menos intensa, mas o momento actual é igualmente forte. Neste caso, tínhamos visto recentemente a possibilidade de o título activar um rectângulo de continuação, e parece ser exactamente isso que acaba de fazer. A activação está consumada, e aparentemente estaremos neste exacto momento no pullback ao topo da figura. A correr bem, a Sonae continuará agora a sua progressão na direcção da projecção: os 1,07€. Considerando o ponto actual, e um eventual stop de curtíssimo prazo no mínimo relativo recente, estamos a falar de um setup com uma relação risco:recompensa de 1:3. Interessante o suficiente, do meu ponto de vista, para merecer alguma atenção. Já para não falar da situação de médio prazo, que segue para já irrepreensível.




segunda-feira, 17 de julho de 2017

Jerónimo Martins cria uma nova referência para stop losses

A Jerónimo Martins parece ter "ouvido" a minha última análise, e fez exactamente o que lhe era pedido: criou uma referência para stops mais próxima do ponto actual. Estando já a afastar-se significativamente da zona dos 15€, tornava-se preocupante e algo arriscado ter um ponto de saída ou desalavancagem tão distante. O novo suporte, agora criado e validado nos 17€, é perfeito para o efeito. Serve para referência de scaling out, nem tanto para encerramento total de posições. Para o curto prazo, espera-se um novo ataque a máximos (18,07€). Até ver, tudo corre fluentemente neste título, não havendo para já quaisquer sinais de abrandamento. A bem de quem está dentro, que assim se mantenha.


sábado, 15 de julho de 2017

Altice - Uma análise à nova dona da TVI e da Rádio Comercial

Num momento temporal em que a Altice volta a estar no centro das atenções em Portugal, importa fazer-lhe uma análise. Poder-se-á considerar que esta empresa, que tanto tem dado que falar nas últimas semanas, tem potencial para continuar a crescer em mercado? À partida, indo já para a resposta a essa questão, tudo indica que sim. A Altice encontra-se em bull mode há cerca de um ano e meio, e está neste momento muito próxima de máximos. No momento actual, contudo, testa um suporte que se pode revelar importante tanto para o curto como mesmo para o seu médio prazo.

Até que novas evidências refutem o seu bom momento, quaisquer aproximações a suportes chave são bons momentos de reforço. Sobretudo pelo baixo risco que é associado a uma transacção que se faça próximo de uma zona de stop. Ainda assim, atenção à importância deste mesmo suporte. À semelhança do que está a acontecer um pouco por todo o mundo neste momento, existe uma perigosa aproximação a zonas que podem ser de activação de padrões de inversão. Ainda faltará um primeiro ressalto no suporte, mas de qualquer forma manda a prudência que haja um fundamental respeito pelos stops. Caso estes padrões de inversão venham mesmo a confirmar-se, teremos problemas monumentais nos próximos meses. Mas, como salientei acima, até que surjam efectivas provas de inversão, o caminho é no sentido ascendente.