domingo, 4 de dezembro de 2016

Enquanto a Europa lateraliza em máximos, o PSI20 caminha para mínimos

Apesar da vitória da Banca na sondagem semanal, decidi ser anarquista e analisar os índices Europeus! Tal acto de rebeldia deve-se ao facto de estar ausente do país na próxima semana e sem acesso aos gráficos horários, o que deixaria a análise à banca mais incompleta do que o habitual. Fica o registo de vitória, e a promessa de colocar o BCP, BPI, CTT e ING ao microscópio assim que regressar.

Comecemos a ronda aos índices pelo PSI20, numa semana que pode ser marcada pelo regresso da volatilidade (se é que ela chegou sequer a ir-se embora). Enquanto a generalidade dos índices Europeus tem vindo a lateralizar em alta, próximos de máximos, o PSI20 tem lateralizado em mínimos e está cada vez mais próximo de bater novo recorde de negatividade! Falhou aquilo que poderia ser uma boa oportunidade de reacção em alta, não tendo activado o padrão de inversão que se formava num timeframe menor, e resta agora esperar que os 4371 pontos aguentem esta investida da cotação. Este é um suporte que vem da reacção anterior, formado e motivado pela reacção em alta de 5% em 3 dias, e que aguentou já uma primeira investida em meados de Novembro.

Na minha opinião, contudo, dificilmente este suporte aguentará mais este ataque descendente. A reacção de meados de Novembro teve apenas uma amplitude de 2%, o que é manifestamente pouco para manter um suporte activo. A cotação deve por isso quebrar esse ponto em baixa e aproximar-se do segundo ponto de suporte, nos 4259 pontos. Este ponto, que marca um mínimo de todos os tempos para o índice, poderá também suportar uma pequena reacção ascendente. Mas eu diria que a força da probabilidade está do lado de nova entrada em mínimos, mais cedo ou mais tarde.

Claro está que, conforme temos visto nas últimas análises, apesar de o índice estar a apresentar resultados globais medíocres existem ainda boas oportunidades no nosso mercado. Cada vez menos, é certo, mas continuamos com várias empresas próximas de máximos de médio prazo. E são essas que devemos acompanhar e valorizar. O PSI20 é hoje um reflexo doente de toda a negatividade que existe no nosso sistema financeiro, sendo pouco fiel ao valor que ainda existe em algumas empresas. Olhe-se portanto para essas, e deixe-se de lado o índice representativo do mercado, que esse parece só conhecer uma direcção.




sábado, 3 de dezembro de 2016

Pela primeira vez em largos meses, Walmart preocupa-me

Terminamos a ronda ao sector do retalho pelo Walmart, que continua a ser um título que eu admiro e acompanho de perto no mercado Americano. Conforme tínhamos já avaliado na última análise, existia a real possibilidade de o título não ser atingida a projecção do H&S. Pelo menos numa primeira fase! Apontava também a resistência dos 71,68 dólares como marca a quebrar, e foi precisamente nesse ponto que a cotação se deteve. Não é surpresa, dado que o Gap descendente ainda representou 3,22% de correcção. Onde as coisas verdadeiramente se complicam é no segundo Gap... Activar um H&S top é mau, mas não significa automaticamente inversão de tendência. Ver a cotação esbarrar numa resistência é mau, mas também não significa inversão de tendência. Ver a cotação esbarrar novamente numa resistência inferior à anterior também não significa inversão de tendência, mas significa que o título está em distribuição. E não há nada mais preocupante num topo do que um movimento de distribuição. Ora, importa por isso estar muito atento às próximas semanas!

Temos neste momento em cima da mesa um triângulo, que pode ser tanto de inversão como de continuação. A activar-se no sentido descendente, pode representar a definitiva machadada no bull mode do Walmart e uma excelente oportunidade de short. A activar-se no sentido ascendente, significa que eu me preocupo demasiado e que o título está aí para as curvas. Para já, prefiro não emitir prognósticos quanto ao sentido da quebra, mas confesso que não estou muito optimista....


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Negociação Automática - Novembro encerra com +3,08% de rentabilidade

Depois de um mês de Outubro marcado por dois eventos extraordinários, estava com alguma expectativa relativamente ao que aconteceria no mês de Novembro. Sendo o mês de eleições nos US, e esperando-se um significativo incremento na volatilidade, receava vir a ser algo penalizado por esse comportamento. Apesar de o mês até ter começado algo volátil, como se pode ver pela curva de equity e pela proximidade à rentabilidade nula, a partir do dia 14 a volatilidade diminuiu e a conta disparou.


Mais importante do que a amplitude da subida, agrada-me imenso a linearidade com que esta ocorreu. Acabei por encerrar o mês com um crescimento total de 3,08%, com um drawdown máximo no percurso de 1,75%. O rácio crescimento/drawdown fica assim nos 1,76, o que é já muito próximo dos 2 que os melhores profissionais da área buscam! Dado o meu estadio de aprendizagem, este rácio representa a minha maior vitória deste mês. A rentabilidade acaba por ser somente um resultado secundário da alavancagem, e dependente do drawdown tolerado. Estando o meu drawdown tolerado  na ordem dos 3%, bastaria duplicar o risco por robot para ter obtido este mês mais de 6% de rentabilidade!

Em termos globais, desde que me iniciei nesta aventura em finais de Setembro a conta leva já um crescimento acumulado de 7,5%. Uma vez mais, mais importante do que o crescimento per se é a linearidade do mesmo. Desde o meu erro, cometido no dia 17 de Outubro, os drawdowns têm sido ligeiros e ocasionais. É esta linearidade no drawdown que pretendo continuar a acompanhar atentamente, por ser o factor diferenciador desta estratégia de combinação de múltiplos robots na mesma conta.

P.S.: Recordo que caso queiram acompanhar em directo as movimentações da conta podem clicar no gráfico de rentabilidade que aparece na lateral direita do Blog.





segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Sonae com plano de inversão em marcha

A Sonae é, neste momento, um dos títulos do PSI20 mais apelativos para mim. Depois de uma significativa correcção,que chegou a atingir os 58% desde o máximo de Abril de 2015, parece estar solidamente a preparar-se para uma inversão. Tendo passado os últimos 5 meses a fazer o que parece ser um fundo no gráfico diário, quebra a resistência dos 75 cêntimos em alta e consolida neste momento acima dela. O target deste movimento ascendente aponta para os 89 cêntimos.

Os próximos passos, numa óptica de médio e longo prazo, deverão ser no sentido ascendente. Estando a próxima grande resistência mais de 30% acima do actual ponto, tem tempo e seguramente espaço suficiente para deixar libertar a tensão acumulada. Em termos defensivos, o ponto de stop mais seguro será abaixo dos 65 cêntimos. Mas, ou muito me engano, ou já não fará uma correcção tão significativa a ponto de colocar essa marca em risco.




sábado, 26 de novembro de 2016

Jerónimo Martins com dois cenários antagonistas em formação

O retalho volta a vencer a sondagem semanal, muito à boleia do momento de positiva incerteza que tanto a Jerónimo Martins como a Sonae atravessam. Comecemos a análise ao sector pela Jerónimo Martins, já que estou em dívida para algumas pessoas que me colocaram questões sobre a mesma nos últimos dias. Começando precisamente por aí, tinha deixado anteriormente a indicação de que seria importante buscar um ponto de inversão no gráfico horário para agarrar desde cedo uma eventual reacção ascendente no gráfico diário. Respondendo directamente a essa questão, a ultrapassagem em alta da zona de resistência entre os 14,92-14,98€ marcaria a activação de um padrão de inversão que poria muito provavelmente cobro ao mau momento temporário do título. A projecção aponta para os 15,43€, mas eu diria que os 15,79€ poderiam ser testados. Não deve no entanto ser desprezada a possibilidade de esta quebra ocorrer no sentido descendente. O compromisso descendente dos 14,62€ representaria a activação de um padrão de continuação que se parece formar no gráfico diário.



Ora, olhando com maior detalhe para o timeframe diário, podemos constatar que o movimento descendente originado pela activação do padrão top já atingiu a sua projecção. Temos agora esse preocupante padrão de continuação em formação. Tem todas as características para um padrão deste género, e deve por isso reter toda a atenção de quem tem interesse neste título. A activar a projecção, o movimento descendente potencial aponta para os 13,61€. Por si só, mesmo que a projecção seja atingida, tal não significaria uma inversão da tendência de longo prazo. Já vimos recentemente correcções descendentes nesta ordem de magnitude, e a Jerónimo Martins recuperou. Ainda assim, seria uma correcção já bastante substancial, o que é motivo reforçado para redobrar a atenção ao sentido da quebra no gráfico horário. Até que ela ocorra, seja no sentido ascendente ou descendente, mãos nos bolsos! O sentido desta quebra é imprevisível...