quinta-feira, 25 de agosto de 2016

NOS acima de zona crítica no gráfico horário

Hoje é dia de alternar o sector em escrutínio, passando as análises sectoriais para o campo das telecomunicações. A primeira candidata é a NOS, que como habitualmente continua a apresentar um comportamento bastante técnico. Neste momento a NOS encontra-se no meio de uma retracção após ter reagido em alta a um H&S de inversão. É já a segunda vez num curto espaço de tempo que este título reage em alta suportado num H&S, mas não faz mais do que o estritamente necessário para atingir a projecção do padrão. Bom para negociação de curto prazo, insuficiente para quem espera mais dela.

Tendo por base o que aconteceu em Março, tenho muito receio que estejamos perante um movimento de maior amplitude. Poderá ser que o título reaja em alta nesta zona de suporte, mas com este histórico recente eu pessoalmente não irei testar para já uma entrada longa. Veja-se porquê com mais detalhe no gráfico horário. Se a zona dos 5,71€ quebrar em baixa, ficamos perante a activação de um duplo topo que teria capacidade para levar a cotação até próximo dos 5,26€. Para quem está longo no título, é este o ponto a vigiar. Se quebrar em baixa, não será de todo descabido proceder ao scaling out da posição.



terça-feira, 23 de agosto de 2016

Walmart a dar continuação ao bom momento

Seguindo na análise ao sector do retalho, vejamos a situação do Walmart. Após uma queda de 40% num curto espaço de tempo, que para uma Blue Chip acaba por ser um marco importante, a recuperação atingiu já os 30% em igual espaço de tempo. Apesar do bom momento, as reacções descendentes têm sido ameaçadoras ao ponto de quebrar muitos pontos de stop colocados de forma mais leviana. Considerando que as retracções têm rondado os 7-10%, diria que o melhor ponto de entrada seria após mais uma correcção nessa ordem de grandeza. Olhando para o gráfico horário, não tem conseguido neste caso detectar-se de forma atempada o suficiente as reacções de inversão.

Contudo, sendo uma Blue Chip com uma yield de 2,8% em trajectória ascendente, poderão gerar-se oportunidades de entrada longa tendo por objectivo o longo prazo. Ainda assim, não será de todo de descurar a análise técnica nesta situação. A reacção ascendente tem-se visto de uma forma linear no gráfico, e tendo em consideração o histórico do título, a linearidade tendencial deverá manter-se para que da mesma forma se mantenha a crença na continuação do movimento ascendente.


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Análises sectoriais - Jerónimo Martins a dar continuação à análise ao retalho

Agora que as férias estão a terminar, e a minha disponibilidade temporal parece querer aos poucos regressar, decidi retomar as análises sectoriais. Considerando a recente análise à Sonae, que ainda está fresca e actualizada, passemos à próxima na lista: a Jerónimo Martins. Desde a última análise pouco mudou, mantendo um comportamento ascendente de médio prazo. Encosta-se agora à zona de suporte, deixando em aberto a possibilidade de retrair um pouco mais caso este não aguente. E, diria eu, a quebra poderá mesmo acontecer. Não que isso tenha demasiada importância, já que a Jerónimo Martins tem simplesmente mostrado pouco respeito pelas zonas de suporte à cotação. A quebra, a ocorrer, poderia mesmo vir a constituir uma melhor oportunidade de reforço de médio prazo, caso a tendência se mantivesse ascendente neste timeframe. De qualquer forma, se a mesma não se vier a confirmar, há que atentar a uma inversão no horário antes se proceder a um eventual reforço.


O gráfico horário sinalizou atempadamente a actual retracção, após ter sido activado neste timeframe um padrão de inversão top. Repare-se, contudo, no movimento ascendente forte e rápido que se deteve nos 14,899€. Atingida a projecção do padrão top, é este ponto que agora nos interessa acompanhar. A sua ultrapassagem em alta significaria a activação de um padrão de inversão bottom, e consequente sinal de compra. Caso tal não venha a suceder, há que deixá-la seguir o seu movimento correctivo até novas indicações em sentido contrário. Contudo, pela linearidade que tem acompanhado sobretudo o gráfico horário, a Jerónimo Martins é um daqueles títulos que ultimamente não tenho deixado de manter sob vigilância.



quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Quão importante é a automatização na negociação? Sheraton Lisboa, 3 de Setembro

Uma das muitas variáveis envolvidas no processo de negociação é a mente humana. E, arriscar-me-ia a dizer, que será uma das mais voláteis e difíceis de controlar. Se é fácil aprender os princípios da negociação, não é de forma alguma simples disciplinar-nos no sentido de controlar as maiores fragilidades e armadilhas que os mercados acarretam. Sejam o medo e a ganância, ou a euforia e a ambição. 


Casas de investimento de grande peso a nível internacional têm vindo a substituir traders humanos por máquinas, automatizando de forma absoluta a sua negociação. E não é para menos, quando 85% das suas receitas advêm do trading de alta frequência. Pessoalmente não sou radicalista ao ponto de acreditar que a negociação deva ser 100% automatizada, mas também não sou ingénuo ao ponto de descartar que este será o futuro dos mercados. E, como na vida, quem não se adaptar será esmagado. Mesmo em mercados mais pequenos, como o Português, existem já indícios suficientes para me levarem a acreditar que o trading 100% automático está já a enraizar-se. 


Reconhecendo a importância crescente deste tópico, a Activtrades decidiu organizar um seminário em redor do tema. Não sendo eu um especialista em estratégias 100% automáticas de negociação, sou o reflexo da ponte que deve ser feita entre as estratégias 100% manuais e as 100% automáticas. Será a esse propósito a minha participação. Lançarei uma reflexão sobre este tema e exemplificareo como todos os participantes nos mercados (por muito ocasional que a sua negociação seja) podem e devem introduzir elementos automáticos na sua negociação. Falarei de stop losses, de indicadores de apoio à negociação, entre outros. Esta edição contará ainda com a participação de um convidado especial, orientado para a criação de robots de negociação no contexto do Forex. 


Como habitualmente, a Activtrades apoiará o evento na sua totalidade. Significa isso que a participação no seminário é grátis mediante inscrição (para clientes e não clientes), e que o almoço e coffee-breaks estão incluídos. A capacidade máxima da sala é de 50 participantes, pelo que será conveniente fazer uma reserva atempada. Acredito que esta é uma grande oportunidade para todos os que queiram saber um pouco mais sobre estratégias automatizadas, ou para os que pretendam continuar a desenvolver negociação manual, mas de uma forma mais eficiente. Não deixem, por isso, de participar. No hotel Sheraton Lisboa, no dia 3 de Setembro.


Clique no link para obter mais informações e/ou proceder à inscrição


sábado, 13 de agosto de 2016

Sonae a testar uma inversão de tendência

Num momento em que vários títulos do PSI20 parecem já ter dado o pontapé de saída para uma inversão de médio prazo, é agora a vez de a Sonae lhes dar seguimento. Depois de um longo período de quedas, surge aqui uma oportunidade de inversão apoiada num padrão que eu classificaria como um triplo fundo (a amplitude dos 2 movimentos descendentes acessórios excede os limites para um H&S), Se a quebra em alta vier mesmo a acontecer, espera-se uma reacção que poderá atingir os 14% e o atingir da zona de gap que marca um segundo ponto de resistência. Apesar das expectáveis dificuldades que se avizinham, acredito que se o padrão for activado pode mesmo galvanizar o título para uma subida consistente. Caso essa activação não ocorra, o que nesta fase ainda é possível, deveremos esperar por novos mínimos para breve.


No gráfico horário, aí sim, foi um Head & Shoulders a marcar o sinal de partida para o actual movimento ascendente. E apesar de a projecção já ter sido atingida há algum tempo, o título segue consistentemente a sua trajectória. Esperam-se agora dificuldades na zona de resistência, que se poderá reflectir numa pequena consolidação neste timeframe, mas que não deverão ser suficientes para forçar uma inversão. A mensagem a este propósito é a habitual: Olhem para o gráfico horário no início da próxima semana em busca de sinais de inversão. Se estes não surgirem, a probabilidade de se activar o padrão no gráfico horário é bastante significativa. Vamos acompanhando.